OS Programas de Validação e Assinatura Do SPED Realizam Auditorias?

1. INTRODUÇÃO

Gerar e/ou lançar nas obrigações acessórias¹ informações fiscais, contábeis, trabalhistas e previdenciárias, entre outros e posteriormente importar para os PVA – Programas de Validação e Assinatura (criados pela Administração Tributária e Órgãos Fiscalizadores (Receita Federal, SEFAZs, MTE e outros) a partir do SPED), não garante para o contribuinte a inexistência de erros/enganos. Realizar análises e cruzamentos pontuais/gerais sobre as obrigações acessórias e/ou durante o processo de geração dos dados do ERP, também não é suficiente. É preciso ir mais longe, ou seja, é necessário realizar ampla e vertical auditoria sobre toda a base de dados enviada para a Administração Tributária e Órgãos Fiscalizadores e efetuar as atualizações/ajustes (de processos, pessoas(treinamentos) e/ou tecnológicos) na origem.

Espera-se com isso mais do que eliminar os riscos de autuações, ou seja, espera-se também reduzir os custos tributários para manter a competitividade em momentos de dificuldades econômicas no mercado interno e externo, principalmente na competição com concorrentes da China e arredores.
Para reduzir os custos tributários (evitar o pagamento a maior ou menor) sem ferir a legislação vigente, é fundamental garantir: Continue lendo

A Importância da Descrição dos Itens no SPED

No Sped é necessária a identificação dos itens (produtos e serviços) no registro 0200 – Tabela de Identificação do Item, este registro tem por objetivo informar as mercadorias, serviços, produtos ou quaisquer outros itens concernentes às transações representativas de receitas e/ou geradoras de créditos, objeto de escrituração nos Blocos A, C, D, F ou 1. Continue lendo

Como a Lei 12.973 Pode Alterar a Rotina das Empresas

Desde o dia 1º está em vigência a Lei 12.973/2014, que altera o cenário contábil das empresas brasileiras. Considerada uma minirreforma tributária, ela extingue o Regime Tributário de Transição, unifica as contabilidades fiscal e societária e aproxima o país dos padrões de contabilidade internacionais. Para facilitar a mudança, determina também a isenção de lucros ou dividendos apurados entre 1º de janeiro de 2008 a 31 de dezembro de 2013 em valores superiores aos lucros e dividendos apurados no balanço fiscal. Continue lendo